“(…) é necessário que esgotado o cálice da amargura surja a bebedeira da esperança” (Miguel Torga);”(…) a eternidade é agora ou não será nunca”.

Advertisements