Conversamos com ele em Abril, depois de um concerto na Gulbenkian.

Estava cansado mas mesmo assim foi de uma disponibilidade comovente, quando lhe levei as minhas perguntas. E disse-me mesmo que não estava cansado. “Não, não”, “mentiu”. Pois não! E para mais tem um problema no dedo. Para um pianista não deve ser fácil. Estava a dar meia dúzia de autógrafos, e disse que era mais difícil para ele assinar do que tocar. Depois de uma brilhante “música”, um homem mergulhado nela. Entregue. E de respostas sem hesitação e na ponta da língua. Nos dedos.

«Porquê o piano? Porque tem todas as vozes, porque tem toda a harmonia, pode ser uma orquestra, poder ser um cantor com acompanhamento, pode ser tudo; não podemos dizer isto de todos os instrumentos; não podemos tocar cordas tão fáceis com o violino. Quer dizer, pode dizer-se, mas é mais fácil com o piano.

O que o atrai mais na música? Sou atraído pelos grandes compositores pela sua sua coesão e pela sua expressividade. Não percebo…Todas as notas estão juntas, e porque se exprimem todas em conjunto: não é só um bocadindo “disto”, um bocadinho “daquilo”.

Encontro na forma como toca uma grande firmeza e ternura. É assim que se vê? É difícil para mim saber, mas eu gosto das emoções. Acho todas importantes; há um  arranjo das emoções… podem ser o “forte”, o “suave”, “ternura”,  tudo.

O que é que a música pode trazer à vida? Traz um um mundo ideal. Na música está um mundo ideal: um mundo ideal onde as dissonâncias se resolvem em consonâncias; e portanto apresenta uma idealização de como o mundo pode ser.

Que conselho me dá…,  para as minhas dissonâncias. Não sei se posso ajudar, mas acho que a música  dá-lhe um “lugar” onde você pode sentir plenitude (fulfillmemt).

E a Beleza faz sentido para si? É que há quem ache que a “palavra” passou de moda. Sim, faz sentido, muito profundamente. Não sei bem a resposta específica, mas Beleza é enriquecer a alma, algo que é muito mais profundo do que uma frase bonita; é “algo” do coração; muito profundo “cá dentro”, não de fora.»

100mim tem escolhido para cada mês um tema. Foi o mês de Robert Bresson, de Herberto Helder, dos ”Queen”, Saramago, Paul Éluard, etc. E Manoel de Oliveira está sempre presente. Julho foi dedicado à Educação. Em Agosto foram as Bombásticas na praia, na sua 2ªedição. Outubro foi o mês dos roubos no FB que gosto. O mês de Novembro foi dedicado ao DESASSOSSEGO. O de Janeiro ao tema da paz. Em Fevereiro “o beijo”. Março sobre a “o que é a oração.” Junho foi o mês sobre  fotografias marcantes. Para Julho escolhemos: SOL. Setembro foi mês de UVAS. Outubro: Mês Espanto! Novembro é Mozart.