Bénard da Costa tem no realizador russo o que esperava ao reconhecer, em relação ao seu filme anterior, “Mãe e Filho”, que “é o filme mais veemente dos anos 90, é o filme que nos reensina a ver e a ouvir,  é o filme onde se concentram o visual e o auditivo.”

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/o-diabo-esta-em-portugal-encontramo-nos-as-14h=f841362#ixzz2l6qvzZSf